Anúncios web: Bloquear ou educar? Eis a questão!


"Duvido muito" - seria o que você provavelmente teria dito um ano atrás se alguém lhe dissesse que duas das maiores empresas de tecnologia do mundo - Apple e Google - oferecessem uma alternativa para bloquear anúncios de publicidade móvel. Hoje, isso é realidade.


A Apple está trabalhando em um recurso, chamado Apples' Ad Blocker, que permite a proprietários de iPhone e iPad bloquear anúncios no Safari, para quando o iOS 9 for lançado, a fim de melhorar a navegação na web. Porém, a recente decisão da Google de começar a penalizar sites com anúncios de instalação de aplicativos, com seu Google's Ad Penalties, pode ser uma maneira mais efetiva para melhorar a experiência de navegação.

No entanto, há que se dizer que a ferramenta de bloqueio de anúncios do iOS9 apresenta vantagens interessantes. Um site livre de uma avalanche de anúncios irritantes melhora a experiência de navegação não apenas pelo visual limpo, mas também por fazer com que os sites carreguem mais rápido.

Por outro lado, a opção oferecida pela Google pode ter maior apelo do que o bloqueador de anúncios da Apple, se considerarmos que ela está, de certo modo, incentivando os websites a publicarem anúncios que não façam as pessoas terem vontade de jogar seus smartphones contra a parede. "Educar", nesse caso, parece ser mais interessante, já que é uma questão de tempo até que os anúncios se adaptem, evoluam para novos formatos. É uma solução que funciona não somente para os usuários, mas também para donos de sites ou blogs, que dependem da renda de anunciantes.

Por mais que a dependência da web em propagandas seja desconfortante - no que concerne à privacidade, comprometimento da experiência do usuário, além de outros inconvenientes -, isso, aparentemente, não vai mudar tão cedo. Websites precisam veicular anúncios para se manter no ar, tal como os meios de comunicação clássicos.

A princípio, a solução da Apple pode ser a preferida, a ideal para os usuários; afinal, quem não quer uma experiência visual mais agradável e uma navegação mais rápida? No entanto, essa é uma alternativa imediata. A médio ou longo prazo, a solução da Google é mais sustentável e equilibrada, tendo em vista que muitos usuários são também donos de websites e blogs. No fim, acaba por ser uma questão de consciência por ambas as partes: quem gerencia uma atividade online tem que entender que a satisfação e fidelidade de seus clientes, de seu público depende - e muito - de como os anúncios interferem na navegação da página; os usuários, por sua vez, devem compreender que são os anunciantes que garantem a qualidade e a sobrevivência dos seus sites favoritos.


Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Os comentários expressam a opinião dos visitantes e não do AUTOR deste blog. No momento os comentários são moderados, já que ultimamente temos recebido muitas inutilidades.

O autor não se responsabiliza por qualquer conseqüência e/ou dano que algum comentário venha a provocar a terceiros.

Comentários inadequados serão REMOVIDOS, incluindo ofensas pessoais, racismo, pregações religiosas, textos totalmente em letras MAIÚSCULAS, palavrões desnecessários ou miguxês, etc.

Obrigado e volte sempre.